terça-feira, 31 de janeiro de 2023

terça-feira, 24 de janeiro de 2023

VINHETAS PARA UMA EVENTUAL BD

Deixo hoje aqui um estudo feito para eventuais vinhetas de um projeto de BD que não passou disso mesmo, onde pela primeira vez fiz experiências do que poderia ser uma banda desenhada feita em aguarela.

terça-feira, 17 de janeiro de 2023

NO REINO DA FANTASIA...


Esta é uma aguarela que fiz para alguém que é pequeno um admirador confesso de dragões e outros animais mitológicos. Para mim foi um desafio numa área à qual não estou muito habituado a trabalhar.

terça-feira, 3 de janeiro de 2023

EUGÉNIO SILVA - AS MEMÓRIAS QUE PREVALECEM...

 


Eugénio Silva: mais um grande que deixa de estar entre nós...

    2022 foi um ano terrível. Ao longo de meses fui perdendo alguns dos meus grandes amigos na área da banda desenhada, todos eles autores que muito admirava desde a minha juventude. E, infelizmente o ano não podia acabar sem ver partir mais um do qual guardo também muito gratas memórias: o Eugénio Silva.

    É verdade que com o Eugénio não tive uma convivência tão intensa como aconteceu com o Jorge Magalhães, o José Pires ou o José Ruy, até porque morávamos longe um do outro. Todavia guardo muito gratas memórias dos vários encontros que tivemos e das conversas que fomos partilhando ao longo dos anos. Para além disso, o Eugénio era também um daqueles autores que acompanharam o meu crescimento com obras verdadeiramente fabulosas, como por exemplo Inês de Castro, que ainda hoje guardo na minha coleção. Para além disso, a nossa relação teve ainda uma grande curiosidade. É que desde a minha juventude que eu ouvia dizer que o Eugénio estava a preparar um álbum dedicado ao Zé do Telhado. No entanto, os anos foram passando e a dita história não havia meio de sair. Por isso, cada vez que nos encontrávamos, eu chateava-o com o facto do livro ser de parto muito difícil e de não haver maneira de sair do seu estúdio. Diga-se mesmo que quem lhe abordava sempre essa questão era eu e o Luiz Beira. E, talvez por isso, quando o livro finalmente viu a luz do dia em 2020, pude constatar com muita satisfação que o Eugénio nos havia de certa forma homenageado, colocando-nos numa vinheta como os morgados de Canavesinhos.

    Mas este foi apenas o corolário de vários episódios que se foram passando ao longo de vários anos. Isto, porque uns Natais antes do livro sair, já o Eugénio me tinha presenteado com a reprodução de uma prancha dele, em que re-escreveu os diálogos, dedicando-os à minha pessoa. Esse é um presente que ainda hoje guardo junto à minha coleção com muito carinho.

    Contudo, essas são apenas algumas das memórias que ficaram. Muitas outras dos vários encontros que tivemos ao longo dos anos acompanhar-me-ão até ao resto dos meus dias. Lembro-me por exemplo de uma vez ele me ter convidado para assistir a uma exposição sua, onde o fiquei a admirar também como sendo um notável aguarelista com um estilo verdadeiramente luminoso. É por isso que, com muita tristeza, o vejo também partir. Afável por natureza o Eugénio era alguém com quem se podia sempre conversar agradavelmente sobre vários assuntos e de quem, tenho a certeza, irei também sentir muita falta nos próximos anos.

    Fica no entanto a convicção de que todos estes meus amigos estarão agora juntos no que se pode designar um pequeno paraíso dedicado aos grandes artistas que em vida foram... Por isso, deixo aqui um até um dia Eugénio, sabendo que até lá existem muito gratas memórias que irão prevalecer...

Fotos: Cristina Costa Amaral

José Ruy, Baptista Mendes, José Pires, José Garcês, Eugénio Silva e eu num Amadora BD, numa exposição de homenagem aos autores que colaboraram em álbuns da Âncora. Neste momento apenas eu e o Baptista Mendes andamos por cá...

A homenagem que o Eugénio me fez a mim e ao Luiz Beira, na vinheta da direita do álbum dedicado a Zé do Telhado

A prancha de Zé do Telhado que o Eugénio re-escreveu de propósito para mim e que meu ofereceu num já longínquo Natal


    


terça-feira, 27 de dezembro de 2022

VOTOS PARA 2023


Agora que o presente ano se encontra a chegar prestes a chegar à sua derradeira caminhada, importa desejar que o ano que se encontra prestes a iniciar seja um bom ano para todos nós. Sei que provavelmente será uma época de grandes e inesperados desafios, mas espero que seja também sinónimo de que os sonhos não esmoreceram. Sim, porque as nuvens não duram para sempre. Afinal, mesmo depois de dias mais cinzentos o sol acaba por irromper na natureza para nos dar mais algum conforto e cor. E porque, tenho a certeza de que o Inverno nunca dura para sempre, deixo então aqui os meus votos de que Novo Ano signifique para todos nós o início de um longo Verão cheio de oportunidades na concretização de uma caminhada que se pretende feliz. Que seja então um próspero 2023 para todos!

terça-feira, 20 de dezembro de 2022

NATAL 2022


É verdade que vivemos tempos que não são fáceis, e que o ânimo pode não estar sempre em alta. Mas também o é o facto de que esta é uma época que pode despertar em todos nós sentimentos e alguma magia, renovando sempre a esperança de que os tempos vindouros se afigurem um pouco melhores do que os dias passados. É com esse intuito que renovo aqui uma vez mais os votos de um Feliz Natal para todos os amigos, leitores ou simplesmente meros visitantes deste blogue. Fica então o desejo de que a esperança nas nossas mentes nunca esmoreça e que os desafios que se podem desenhar signifiquem apenas mais uma etapa no longo caminho dos nossos sonhos... 

terça-feira, 13 de dezembro de 2022

HOMEM ARANHA


Apesar de eu não ser propriamente um fã de super-heróis, deixo aqui hoje uma pequena aguarela do homem aranha, que fiz para satisfazer um pequeno/grande admirador da personagem.

terça-feira, 6 de dezembro de 2022

O SUPER-HERÓI

 


   Esta é uma banda desenhada de apenas uma página que fiz recentemente, para cumprir os requisitos de uma encomenda que me foi solicitada. Confesso que para mim foi um enorme desafio, pois foca uma temática sobre a qual nunca me tinha debruçado e, á medida que o projeto foi ganhando forma, confesso que acabei por ficar surpreendido comigo próprio, uma vez que o resultado final acabou por ir além do que eu eventualmente esperaria...

terça-feira, 29 de novembro de 2022

JOSÉ RUY - A PARTIDA DO MEU ÚLTIMO GRANDE HERÓI...

 


   Por estes dias, com a partida de José Ruy para outras paragens, não consigo deixar de sentir um grande vazio no meu coração, pois com o seu desaparecimento, tenho a estranha sensação de que perdi mais um bom amigo que me acompanhou de forma bastante presente ao longo dos últimos quase trinta anos. É verdade que o José Ruy partiu com uma idade já bastante avançada (92 anos), mas também não deixa de ser uma referência o facto de que o seu ritmo de trabalho era de tal ordem, que já nos tínhamos conseguido adaptar à ideia de que ele duraria pelo menos cem anos.

    Eu conheci o José Ruy há 28 anos, por alturas do lançamento de A Voz dos Deuses, o meu primeiro livro. Estávamos então em pleno Festival da Amadora . E ele, não só acompanha todo o processo de lançamento, como depois vem ter comigo e, de forma afável, salienta a minha coragem por ter embarcado neste projeto de grande dimensão. Sublinhe-se que, nesta altura, José Ruy era já um autor já plenamente consagrado, com décadas de trabalho atrás de si e já muitos álbuns publicados. Por isso, guardarei sempre na minha memória esse momento em que nos conhecemos e trocámos as nossas primeiras impressões, sendo eu apenas alguém que acabava de chegar à BD.

    A partir daí, este grande autor tornou-se em alguém que me deu um apoio constante ao longo da vida. Lembrarei para sempre a sua delicadeza e o seu espírito construtivo que me acompanhou, ao longo de anos, com sugestões, ideias ou apenas simples conversas. E, daqui para a frente, terei não só saudades dos muitos momentos que partilhámos juntos, mas também dos nossos contactos através de email. Posso, por isso, dizer que o José Ruy deixou uma marca indelével ao longo dos anos. Nunca me esquecerei de que, sendo ele um já muito prolífero autor, com uma vasta obra atrás de si e uma notável capacidade de trabalho, esteve sempre presente, nem que fosse com uma simples palavra de encorajamento e incentivo. É disso que irei sentir muita falta, porque mais do que um autor, ele foi para mim sempre um amigo com A grande. E isso ainda assume mais importância, quando estamos a falar de alguém que deu um enorme contributo à banda desenhada, com provavelmente mais de cinquenta álbuns publicados, obras que contribuíram enormemente para dar outra visão a pequenas histórias da História, apesar de ter trabalhado também noutros géneros...

    A esse nível posso também dizer que o primeiro contacto que tive com parte da vastíssima obra que nos deixou foi quando eu era ainda um jovem que sonhava poder um dia ser um autor de BD. Nunca mais me esquecerei das Aventuras do Clique e do Flash nas páginas do Tintin, onde com um enorme sentido de humor, entre outras coisas, parodiava de forma inteligente algumas situações e lugares comuns na própria redação da revista. Depois e, ao longo dos anos, fui então travando conhecimento com o que posso designar de uma carreira ímpar, sabendo que a própria História o lembrará para sempre com muito amor e carinho...

    Resta-me dizer que apenas suspeitei que alguma coisa não andava realmente bem, quando no último Amadora BD não o vi. É que, ao longo dos anos o José Ruy foi sempre uma presença constante neste evento, onde com a sua amabilidade e afabilidade, pontuava sempre por uma presença única. Daí que tenha estranhado pela primeira vez não o ver presencialmente. No entanto, nessa altura, ainda não sabia da verdadeira dimensão da doença que o consumiu de forma galopante.

    E, com a sua partida, sinto então uma profunda tristeza, que infelizmente já tinha sentido com o desaparecimento do Jorge Magalhães, do Geraldes Lino ou do José Pires. Apenas me consola a ideia de que, por estas alturas, estarão todos numa espécie de paraíso, para onde irão certamente todos os amantes de BD. E sei também que terá sido muito bem acolhido por todos estes e outros seus amigos, para juntos iniciarem provavelmente outro tipo de aventuras...

    Para finalizar, fica então aqui um grande ATÉ SEMPRE deste que, ao longo dos anos, se tornou num admirador confesso...

Eu e o José Ruy, em pleno Amadora BD nas sessões de autógrafos...

...a dar vida a novos desenhos

Da esquerda para a direita: José Pires, José Ruy, a sua esposa Maria Fernanda, Tito e Luís Beira, estando eu em baixo

Uma das muitas pranchas que José Ruy nos deixou para a posteridade...



terça-feira, 15 de novembro de 2022

JÁ CHEGOU A 3ª EDIÇÃO DE "A VIAGEM DO ELEFANTE"...


Após ter estado esgotada no mercado durante alguns meses, é com muito prazer que anuncio que a 3ª edição do livro de banda desenhada que adapta A Viagem do Elefante, de José Saramago foi novamente disponibilizada para o mercado, para satisfazer todos os que queriam adquirir o livro e, até agora, não o conseguiam fazer. Esta obra estará então de novo à venda nas livrarias e deixo uma vez mais expresso o meu agradecimento à Porto Editora, à Fundação José Saramago e também a Pilar Del Rio que, pelo seu constante apoio, têm tornado tudo isto possível... Posso então dizer que na comemoração dos cem anos do escritor José Saramago, esta foi para mim uma magnífica prenda.



quarta-feira, 9 de novembro de 2022

Amadora BD '22 [Entrevistas]: Bruno Caetano, João Amaral, André Caetano


Deixo hoje aqui uma pequena entrevista que efetuei à Central Comics, conjuntamente com Bruno Caetano da Comic Heart e com André Caetano durante o ultimo Amadora BD, onde falo sobretudo de Rattlesnake, o meu último livro.

quarta-feira, 2 de novembro de 2022

MENORCA - AGUARELA



Eis então uma aguarela que fiz para oferecer de presente a uma pessoa amiga, a fim de recordar para todo o sempre a sua estadia em Menorca...

terça-feira, 25 de outubro de 2022

ALGUNS AUTÓGRAFOS DE "RATTLESNAKE" E O MEU FIM-DE-SEMANA NO AMADORA BD





Deixo hoje aqui alguns dos autógrafos que já efetuei para o meu mais recente livro Rattlesnake e lembro uma vez mais os meus horários no Amadora BD durante o próximo fim de semana. Assim, no próximo o sábado, às 14.00 horas irá ser feita uma pequena apresentação do livro, no auditório que se encontra no espaço de vendas, no Ski Skate Amadora Park. Aí, estarei presente com Jorge Deodato, o meu editor e irei mostrar algumas curiosidades que revestem esta obra. Quanto às sessões de autógrafos, deixo então o agendamento nas linhas seguintes:

Sábado, dia 29 - Das 15.00 às 16.00 horas

Domingo, dia 30 - Das 15.00 às 16.00 horas

Fica então feito uma vez mais o convite.